myClub-PES2018-eSports

A KONAMI fingindo que se importa com UM futuro… e-Sports by PES LEAGUE

Há dois meses atrás, recebi um e-mail que em princípio parecia um scam babaca. Mas o IP era o mesmo da antiga funcionária da KONAMI UK, Lisa Villaume, a quem eu enviava perguntas e na medida do possível ela liberava a catraca.

A missiva (bem longa) ora em tom de ameaça, ora em tom de conciliação, tenta mostrar o quanto a desunião das comunidades abateu uma paixão que sempre foi o elemento que fez de Winning Eleven, sinônimo de futebol nos vídeo games.

Estão ouvindo? Raiss, Nocturno, Hassan? Estes três imbecis acabaram com a franquia. Mas há perdão. Por que não se juntar ao clube? Assegurar um assento na locomotiva do futuro?

Então, tudo será perdoado.

Não, obrigado. Embora eu seja adepto dos e-Sports, e não vejo games mobile como Satanás na Terra, a KONAMI não tem bala na agulha para essa transição e nem gente competente para entender como adaptar a marca Pro Evolution Soccer ao e-Sports — a PES LEAGUE que ela (no Ocidente) joga uma graninha rala para ver se bate de frente com FIFA e com a EA SPORTS.

A questão é que nem a EA ainda montou seu esquadrão e-Play como ela deseja. Ou seja, no mínimo 32 clubes, reais, com seus atletas de e-Sports competindo. Torneios oficiais, na Ásia, Américas e obviamente e principalmente Europa. Cerca de 18 clubes já assinaram contrato de 4 anos com a empresa para moldar essa FIFA Super League. Times que sempre foram parceiros da KONAMI na América do Sul como Santos, Boca Juniors e River Plate já assinaram com a rival.

O Flamengo está em vias de receber pela parceria com a EA; o mesmo que o Chelsea recebeu para juntar-se ao modo e-Sports de FIFA.

Mas como sobra profissionalismo e bons nomes na EA, não a toa, Peter Moore, que foi o Big Boss de FIFA por quase 10 anos e transformou o game nessa máquina insana de ganhar dinheiro (baterá 1 bilhão de dólares só com o FUT antes de Maio… ruim né?) agora é gerente de marketing e desenvolvimento do Liverpool FC.

O próprio brasileiro Gilliard Lopes esteve próximo de trabalhar no Manchester City e só não foi porque o clube está numa intensa fase de transição.

Luigi Lombardo, ex-boss de FIFA na Itália, assumiu em Janeiro a responsabilidade de dar ao AC Milan uma estrutura de mídia e e-Sports que faça do gigante italiano algo páreo a clubes como Paris SG, Manchester United e Bayern Munchen que estão torrando fortunas em e-Sports.

A EA não está contente com o FIFA Interactive World Cup, 100% gerenciado pela própria FIFA, a entidade, não a EA Sports. Ela quer algo similar e profissional como LOL, Dota ou CS:GO. Gradioso, não um torneio vagabundo como os da PES LEAGUE onde sequer conseguem transmitir os jogos via Twitch.

Em suma, nesse futuro onde licenças são vistas como bobagem e algo menor, afinal: e-Sports deve focar ídolos do joystick e teclados, não Cristiano Ronaldo ou os Messi da vida. A KONAMI negocia com a coreana S.M. Entertainment – a parceria para tocar a PES LEAGUE.

Mas neste formato abaixo…

Baekhyun-Heechul-e-Sports
Quanta meiguice, não? Ah KONAMI…

Desculpa nóis aí KONAMI, mas esse teu tremzinho afeminado não tem parada na minha estação não. A quem possa interessar este futuro onde não haverá nada além de MyClub e PES LEAGUE na franquia, novidades virão aos montes durante este triste último ano do saudoso Winning Eleven.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *