Juvents, Cena Scudetto e Coppa Italia

Aaron McHardy, Lead Producer de FIFA 18 em mais um All In All da EA

Quem acompanha o PESBR aqui sabe que as notícias que chegavam de FIFA 18 não eram das melhores. Em certo momento, especulou-se até um downgrade para o mesmo hardware usado para a confecção de FIFA 17, já que o game puro sangue, ou: 100% Frostbite 3, vinha criando diversos problemas aos desenvolvedores.

FIFA18-Ronaldo

Aaron McHardy, senior producer de FIFA 18 hoje em convenção com o povo que lida mais com as partes mais técnicas do game, admitiu que pediu socorro ao pessoal da BioWare quando o novo Journey parecia não conseguir ‘dialogar’ com a versão anterior.

Tempo Dinâmico gerou dores de cabeça na equipe em Vancouver

Usamos em FIFA 18 além da Frostbite 3, também a Refractor Engine (para explorar melhor as condições meteorológicas e de iluminação no game), de nossa propriedade, desenvolvida e mantida pela DICE.

Queremos expandir o universo de FIFA para além das quatro linhas do gramado.

FIFA tem muito a apresentar além de Legends, Icons, Journeys; queremos dar ao jogador a possibilidade de criar, gerir e gerar tudo o que um clube de futebol é em termos de desafios e diversão.

Isso inclui correr riscos e corremos, mas no final tudo deu certo e não vejo a hora de dar aos fãs isso. Poderia ter sido um desastre, em certo momento, por volta de Janeiro, realmente estávamos muito preocupados pois além do modo jornada, a jogabilidade em tempo dinâmico, com chuva forte, neve ou sol escaldante gerava reações estranhas na iluminação e frames da partida.

FIFA 18 ao todo traz para as versões PC, XBOX One e PS4, 11 diferentes climas dinâmicos totalmente aleatórios. Pode-se começar uma partida com uma chuva torrencial e terminar com um sol tímido, ou enfrentar uma nevasca ou temporal que além de afetar o gramado, cria efeitos magníficos em termos de iluminação interna e externa.

Tudo obviamente respeitando o calendário: não teremos um sol da Califórnia num típico Inverno ou Outono no Reino Unido, norte da Europa e Rússia. Mas analisamos muitas partidas de diversas ligas para tentar recriar com o máximo de fidelidade isso em FIFA 18.

FIFA 18 é sem dúvida nossa obra de arte, o que criamos de mais valioso até hoje dentro da franquia pois expandiu o game para além de um simples jogo de futebol.

Conseguimos algo inédito em termos de física, controle de bola, uma variedade imensa de novos movimentos, stats mais justas com os jogadores já que dobramos nossos scouts e agora exigimos mais deles, praticamente um update semanal para ver o quanto eles realmente estão seguindo a performance de times e jogadores.

A temporada 2016-17 que acabou dá o tom, mas vamos ver se o nível se mantém

Aaron McHardy garantiu ao fãs que equipes como o AS Monaco e Red Bull Leipzig, equipes que surpreenderam e muito nesta temporada partirão com ‘notas altas’ em FIFA 18, resta saber se irão sustentar esta força ou caírem de produção como o Leicester.

Real Madrid e o Handicap já acusado em FIFA 18 pelos testers

Não há o que se falar de handicap para o Madrid. Olhe o time, olhe Cristiano Ronaldo, olhe Marcelo, olhe Casemiro, olhe Luka Modrić e olhe jovens como Marco Asensio ou outras pérolas que o Real Madrid guarda em seu Youth System, olhem os resultados.

É como ter um jogo de Basquete da NBA e não reconhecer LeBron James ou o Golden State Warriors como os melhores e mais importantes da atualidade e não dar lhes o crédito que eles merecem.

Quando FIFA 18 chegar as suas mãos você não irá desejar Cristiano Ronaldo? Karim Benzema? Marcelo, Gianluigi Buffon? Paulo Dybala e Daniel Alves? Giorgio Chiellini e Sérgio Ramos como dupla de defensores?

Imagine acrescentar ainda os jovens talentos de André Onana, Odsonne Edouard, Kwang-Song Han, Timo Werner, Kasper Dolberg, Justin Kluivert, Matthijs de Ligt, Youri Tielemans e Kylian Mbappé? Note que não citei jogadores da Premier League.

Handicap é dado a um determinado momento de clubes e jogadores, não se pode (low the bars) ‘nivelar por baixo’.

Somos acusados de privilegiar os clubes ingleses, mas posso lhe garantir que os cinco elencos mais fortes que começam FIFA 18 são Real Madrid, Juventus, Barcelona, Bayern Munchen e AS Monaco.

Após a janela de transferências as coisas tendem a mudar, mas creio que destes 5, apenas o AS Monaco corra riscos de um forte perda de atletas para clubes que estão precisando se reerguer como AC Milan, Internazionale, Arsenal e o Paris SG.

[…]

Para quem não sabe, Aaron McHardy, é um canadense que enquanto jogava pelo SK Sturm Graz da Austria e já tinha contrato assinado com o Werder Bremen, rompeu os ligamentos e teve a tíbia condenada pelos médicos após um singelo amistoso/rachão em Vancouver, sua terra natal, quando já se preparava para começar sua carreira pelo Bremen.

O tempo todo confrontado por jornalistas de futebol — além de gamers — McHardy não foge de perguntas, nem de polêmicas.

Sabe do que fala e pra quem fala. Contratou mais de 30 ‘olheiros’ para trazer a FIFA o máximo de profundidade e referências realistas do que é jogado no mundo real. O tempo todo é julgado por ser canadense e não ser de um país com tradição no ‘Soccer’. No próximo post sobre FIFA 18, vamos abordar na íntegra o que Aaron McHardy falou hoje a tarde e o que os patetas da KONAMI falarão amanhã.

Por favor KONAMI, não espere Dezembro. Demita logo estes caras e deixe o Chris Staunton refazer o PES Team com o David Cox e a Havok. POR FAVOR.

3 comments

  1. A pensar que tinha fugido com raiva do PES 2018 que ficou ó daqui!
    O FIFA parece o jogo The Walking of the Dead the videogame hahaha 😀

  2. Paulo, alguma chance de mais uma liga escaneada e mudanças significativas no Career Mode?

    Do contrário nem vou comprar FIFA esse ano, estou achando o jogo bem FIFA 17.2…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *